CONTRIBUINTES BUSCAM INSS PARA TIRAR DÚVIDAS SOBRE APOSENTADORIA ~ Blog do Lenno Barbosa Parambu

CONTRIBUINTES BUSCAM INSS PARA TIRAR DÚVIDAS SOBRE APOSENTADORIA

A nova regra da aposentadoria mal começou a valer e o Senado já pensa em mudar. Quem está pertinho de se aposentar está cheio de dúvidas. Muita gente se pergunta agora se vale a pena adiar a aposentadoria. É bom ver direitinho mesmo, muita gente já procurou postos do INSS para tirar dúvidas sobre as novas regras da aposentadoria.
Agora os contribuintes passam a conviver com duas fórmulas de cálculo de aposentadoria por contribuição: a nova, que considera idade e tempo de contribuição do trabalhador, e a do fator previdenciário, que continua valendo para quem quer se aposentar antes de atingir a regra 85/95.
Como fica agora o cálculo da aposentadoria? O bancário Juraci Guedes não esperou para tirar as dúvidas. Procurou um posto do INSS logo no primeiro dia de vigência da nova regra e confirmou que no caso dele, deve ser vantajoso. Ele pretendia se aposentar no ano que vem, mas deve esperar um pouco. “Eu teria que aguardar mais um ano. Nos meus planos iniciais eram início de 2016, aí eu teria que reprogramar para 2017. Vai valer a pena, porque hoje eu teria uma perda de uns 30%, dá mais de R$ 1 mil, quase R$ 1,500 mil”, explica.
O governo decidiu aproveitar, como ponto de partida, a proposta que já tinha sido aprovada no Congresso. Ou seja, para se aposentar recebendo a aposentadoria máxima a que tem direito, a mulher tem que somar tempo de contribuição e idade e o resultado precisa ser igual ou maior que 85. Mas é preciso cumprir o tempo mínimo de contribuição: 30 anos. No caso dos homens, o resultado terá que ser 95, com um mínimo de 35 anos de contribuição.
Quem está perto de se aposentar tem que ter calma para fazer as contas direitinho porque a nova regra que está em vigor hoje vai valer até o final do ano que vem. A partir de 2017, essa conta muda porque serão considerados outros critérios na hora de calcular o valor da aposentadoria. O raciocínio é o mesmo, mas a partir daí será considerada a mudança na expectativa de vida do brasileiro e terá uma regra de progressão. Em 2017 e 2018, a soma de idade com tempo de contribuição tem que dar 86 para mulheres e 96 para homens. No ano seguinte, 87 e 97. A partir daí muda todo ano até chegar a 90 e 100 em 2022.
O ministro da Previdência explicou que era preciso avançar porque a população brasileira está envelhecendo rapidamente, e se fosse mantida apenas a fórmula 85/95, as contas da Previdência se tornariam insustentáveis em alguns anos. “O fundo do regime geral é de todo trabalhador. Nós estamos em uma carreta, em uma reta, mas ali na frente estamos vendo uma curva acentuada. Ou nós planejamos a curva ou a carreta tomba”, disse Carlos Gabas.
As regras já estão em vigor, mas para continuar valendo terão que ser aprovadas pelo Congresso no prazo de 120 dias. “O governo está muito tranquilo neste sentido, está tomando essa iniciativa para o bem da previdência, para não quebrar a previdência lá no futuro”, disse o deputado José Guimarães.
O presidente do Senado defende mudanças. “O que nós precisamos é mudar a regra de progressividade para que ela não acabe comendo o 85/95”, disse Renan Calheiros.
O INSS informou que ainda precisa ajustar o sistema de informática às novas regras de cálculo.
Enquanto isso, quem se encaixar nas regras novas e for atendido nos próximos dias deve pedir para mudar a data do requerimento para 18 de junho, para ter direito ao valor integral da aposentadoria. Isso porque a data que conta é aquela em que o trabalhador ligou pra central do INSS para iniciar o pedido de aposentadoria.


Fonte: G1.com




Postar um comentário